50 anos de ocupação: A Guerra dos Seis Dias de Israel foi baseada em uma mentira

50 ANOS ATRÁS, entre 5 e 10 de junho de 1967, Israel invadiu e ocupou Jerusalém Oriental, a Cisjordânia, a Faixa de Gaza e as Colinas de Golã. A Guerra dos Seis Dias, como ela ficaria conhecida depois, viu o “Davi” israelense impor uma humilhante derrota ao “Golias” árabe – talvez personificado no presidente egípcio Gamal Abdel Nasser.

“A existência do estado israelense estava por um fio”, afirmou o primeiro-ministro do país, Levi Eshkol, dois dias após o fim da guerra, “mas as esperanças dos líderes árabes de aniquilar Israel foram destruídas”. O argumento israelense é que um genocídio, um segundo Holocausto havia sido evitado.

No entanto, há problema com este argumento: ele é uma completa ficção, uma mentira, um mito, uma fantasia egoísta construída após o evento para justificar uma guerra agressiva e expansionista. Não sou eu quem diz isso: “A tese segundo a qual o perigo de genocídio pendia sobre nós em junho de 1967 e, segundo a qual, Israel estava lutando por sua existência, não passa de um blefe nascido e alimentado após a guerra.” As palavras são do general Matituahu Peled, chefe do comando logístico na Guerra dos Seis Dias e um dos 12 membros do Estado-Maior de Israel, em março de 1972.

Um ano antes, Mordechai Bentov, membro do governo durante a guerra e uma das 37 pessoas a assinar a Declaração de Independência de Israel, fez um reconhecimento semelhante. “Toda essa história sobre a ameaça do extermínio foi totalmente planejada, e depois elaborada, a posteriori, para justificar a anexação de novos territórios árabes”, afirmou Bentov em abril de 1971.

Mesmo o primeiro-ministro israelense Menachem Begin, ex-terrorista e queridinho da extrema direita israelense, admitiu, em um discurso em agosto de 1982, que “em junho de 1967, nós fizemos uma escolha. As movimentações do exército egípcio ao abordar a península do Sinai não eram prova de que Nasser realmente estava a ponto de nos atacar, precisamos ser honestos. Nós decidimos atacá-lo. ”

As consequências desse ataque são sentidas no Oriente Médio até os dias atuais. Poucos conflitos modernos tiveram impacto tão profundo e duradouro quanto a Guerra dos Seis Dias. Como observa o acadêmico e ativista norte-americano Thomas Reifer, a Guerra dos Seis Dias parecia o “golpe de morte no nacionalismo pan-árabe, o surgimento do Islã político, de um nacionalismo palestino independente” e “a emergência de Israel como um ‘ativo’ estratégico dos Estados Unidos no coração do Oriente Médio, com os EUA enviando bilhões de dólares a Israel, numa parceria sem precedentes na história mundial”.

Acima de tudo, a guerra, definida pelo London Daily Telegraph, em 1967, como “um triunfo da civilização”, forçou 300 mil palestinos a abandonar suas casas e inaugurou uma brutal ocupação militar para os milhões de palestinos que lá ficaram.

A guerra pode ter durado apenas seis dias, mas a ocupação que se seguiu ao conflito está entrando em sua sexta década. É a mais longa ocupação militar no planeta. Os defensores de Israel negam que isso seja uma ocupação: dizem que os Territórios Ocupados estão “em disputa” – uma afirmação mentirosa, negada até mesmo pela Suprema Corte de Israel, que decidiu, em 2005, que a Cisjordânia é “posse do Estado de Israel em uma ocupação beligerante”.

Cinquenta longos anos de ocupação; de desapropriação e limpeza étnica; de demolições de casas e toques de recolher noturnos; de postos de controle, muros e pedidos de licenças.

Cinquenta anos de bombardeios e bloqueios; de ataques aéreos e ataques noturnos; de “assassinatos específicos” de “escudos humanos“; e crianças palestinas torturadas.

Cinquenta anos de discriminação racial e preconceito étnico; de um sistema judicial desigual e de dois níveis – um para palestinos e outro para israelenses; de tribunais militares e “detenção administrativa“.

Cinquenta anos de humilhação e submissão; de mulheres palestinas grávidas que dão à luz nos postos de controle; dos pacientes de câncer palestinos que não têm acesso à radioterapia; de jogadores de futebol palestinos impedidos de jogar.

Cinquenta anos de negociações inúteis e planos de paz fracassados: Allon, Rogers, Fahd, Fez, Reagan, Madrid, Oslo, Wye River, Camp David, Taba, Red Sea, Annapolis. O que, de fato, essas negociações conseguiram para os palestinos em territórios ocupados? Nada, além de assentamentos, assentamentos e mais assentamentos israelenses?

Veja só: em 1992, um ano antes do início do processo de paz de Oslo, os assentamentos na Cisjordânia cobriam 77 quilômetros e abrigavam 248 mil colonos israelenses. Até 2016, esses assentamentos aumentaram para 197 quilômetros e o número de colonos que viviam neles, mais do que triplicou: eram 763 mil pessoas.

Esses assentamentos tornaram praticamente impossível a famosa “solução de dois estados”. A Cisjordânia ocupada foi retalhada em uma série de bantustões, separados entre si e do mundo. Os colonos não vão sair de lá tão cedo. Eles são os “fatos” sobre os quais Israel argumenta. Ignorá-los é ignorar o maior obstáculo para acabar com a ocupação. “É como você e eu estivéssemos negociando sobre um pedaço de pizza”, explicou o advogado palestino-americano e ex-conselheiro da OLP, Michael Tarazi, em 2004. “Quanto da pizza vou receber? E quanto você vai obter? Mas enquanto estamos negociando, você continua a comer a pizza”.

Gen. Moshe Dayan talks to newsmen in Tel Aviv as he holds his first press conference, June 3, 1967, after taking the post of Minister of Defense.  (AP Photo)

Gen. Moshe Dayan fala a repórteres em Tel Aviv durante sua primeira coletiva, em 3 de junho de 1967, depois de assumir o posto de Ministro da Defesa.

Foto: AP

Não apenas a guerra de 1967 foi construída sobre uma mentira; foi assim também com a ocupação que veio depois dela. A ocupação não foi pensada como algo temporário, nem que os palestinos recuperariam suas terras depois. Se Israel tivesse planos para se retirar dos Territórios Ocupados, como sugerem alguns de seus apoiadores, então, por que o primeiro assentamento na Cisjordânia, Kfar Etzion, estabelecido menos de quatro meses após a Guerra dos Seis Dias, desafiando o “conselho ultrassecreto” do conselheiro jurídico do Ministério das Relações Exteriores israelense de que o “assentamento civil” nos Territórios violaria “as disposições explícitas na Quarta Convenção de Genebra”?

Por que o Estado judeu passou as últimas cinco décadas usando um processo de paz fantoche para engolir mais terras palestinas e criar mais assentamentos ilegais? A verdade é que o Estado judeu, desde o início, “usou as negociações como uma cortina de fumaça para ampliar seu projeto colonial”, usando emprestada a expressão do militante e ativista palestino preso Marwan Barghouti. Cinquenta anos depois, é hora das lideranças palestinas e a comunidade internacional pararem de fingir o contrário.

O lendário general israelense e ministro da Defesa, Moshe Dayan, um dos arquitetos da vitória de Israel em 1967 – e defensor ferrenho de que o estado judeu deveria manter os territórios que havia conquistado, é quem melhor resume a atitude cínica dos governos israelenses (sejam de esquerda ou de direita) nas últimas cinco décadas. “As únicas negociações de paz”, declarou Dayan, quando questionado sobre a possibilidade de um acordo de paz com os palestinos, em novembro de 1970, “são aqueles nas quais consolidamos os territórios e, de tempos em tempos, vamos de novo para a guerra.”

Foto em destaque: Soldados israelenses procuram prisioneiros jordanianos durante operação de limpeza em Jerusalém, em 8 de 1967, quando a cidade ficou sob o domínio judeu durante a Guerra dos Seis Dias.

Tradução: Charles Nisz

Adicione um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*