Brasília(DF), 12/05/2016 - Posse dos ministros do governo Michel Temer - Na foto o senador Aécio Neves e o presidente Michel Temer - Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

AÉCIO SE CALA SOBRE TEMER, O “CHEFE DA QUADRILHA”

Em 2014, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) disse ter perdido as eleições presidenciais para uma organização criminosa; hoje, 72 horas depois que Michel Temer foi denunciado como chefe da organização criminosa que governa o Brasil, Aécio se mantém calado; sua última manifestação no Facebook aconteceu no dia 6 de setembro, sobre a reforma política; num vídeo demolidor, Leonardo Stoppa explica o silêncio de Aécio e deixa claro que a luta do parlamentar mineiro, que liderou o golpe de 2016, sempre foi pela poder – e nunca contra a corrupção; aliás, ele tem um pedido de prisão ainda não julgado pelo Supremo Tribunal Federal.

Minas 247 – Em 2014, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) disse ter perdido as eleições presidenciais para uma organização criminosa, e não para um partido político.

Hoje, 72 horas depois que Michel Temer foi denunciado como chefe da organização criminosa que governa o Brasil, Aécio se mantém calado.

Sua última manifestação no Facebook aconteceu no dia 6 de setembro, sobre a reforma política.

Num vídeo demolidor, Leonardo Stoppa explica o silêncio de Aécio e deixa claro que a luta do parlamentar mineiro, que liderou o golpe de 2016, sempre foi pela poder – e nunca contra a corrupção.

Aliás, ele tem um pedido de prisão ainda não julgado pelo Supremo Tribunal Federal.

Confira, abaixo, o vídeo de Stoppa para a TV 247:

Leia, ainda, a postagem mais recente de Aécio:

Chamo a atenção para a importância de duas medidas aprovadas em primeiro turno ontem na Câmara dos Deputados: o fim das coligações proporcionais nas eleições e a criação da cláusula de desempenho para os partidos políticos.

As duas medidas são centrais para reorganizar o quadro partidário no Brasil e reaproximar a sociedade da política. Como se dará isso? Com o fim das coligações, o cidadão elegerá parlamentares com verdadeira representatividade junto à população. Com a cláusula de desempenho, o eleitor decidirá quais os partidos políticos terão participação no fundo partidário e no tempo de televisão.

Agora, nosso esforço será aprovar essas novas regras em segundo turno, até outubro, para que elas possam valer nas eleições do ano que vem.

Adicione um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*