Ex-ministro Geddel Vieira Lima 22/11/2016 REUTERS/Ueslei Marcelino Foto: Reuters
Ex-ministro Geddel Vieira Lima 22/11/2016 REUTERS/Ueslei Marcelino Foto: Reuters

STF decide remeter ao DF investigação de políticos do PMDB

O Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou nesta terça-feira decisão do ministro Edson Fachin de fatiar a denúncia contra o grupo do PMDB da Câmara que envolve o presidente Michel Temer, de modo que os acusados que não têm foro no STF tenham a continuação de seus inquéritos na primeira instância.

 Mas, diferentemente da determinação de Fachin para que um dos inquéritos fosse remetido à Justiça Federal de Curitiba e outro ao Distrito Federal, a maioria dos ministros do Supremo decidiu que os dois inquéritos em questão serão enviado à Justiça Federal do DF.

Temer e outros denunciados haviam pedido a suspensão da remessa da parte criminal da denúncia por organização criminosa para a Justiça Federal de Curitiba e de outra, por obstrução de Justiça, para a Justiça Federal em Brasília até que Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) deixem os cargos.

Em sua decisão, Fachin havia determinado o envio para o juiz Sérgio Moro, de Curitiba, da parte que envolve os ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves, o ex-ministro Geddel Vieira Lima e o ex-assessor especial da Presidência Rodrigo Rocha Loures.

O ministro também havia ordenado a remessa para a Justiça Federal de Brasília da parte da investigação que trata da acusação por obstrução de Justiça contra Cunha, Rocha Loures, e os empresários da J&F Joesley Batista e Ricardo Saud, de Lúcio Funaro e da irmã dele, Roberta Funaro.

Temer também foi denunciado por esse crime, mas foi beneficiado pela suspensão determinada pela Câmara.

Adicione um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*